Pedaços de Mim

Pedaços de Mim
Pedaços de Mim

13 de out de 2010

Quando me tornei duas


Uma que vai outra que fica
Uma que chora outra que sorri
Uma que sonha, outra que vive
Uma que briga, outra que acalma
Uma que dorme outra que acorda
Uma que cansa, outra incansável
Uma que ve tudo outra que não ve nada
Uma que escreve outra que le
Uma de todos os amigos, outra quer pura solidão
Uma que descobre, outra que se esconde
Uma que peca, outra que confessa
Uma tempestade, outra mansidão
Uma que namora, outra quer paixão
Uma liberdade, outra pura dor
O dia em que me tornei duas, me tornei muitas, me tornei múltipla
Múltiplos sentidos, mas que pena descobri, entre as duas apenas uma ter coração.
poema nascido de um momento de angustia, e contradições

Nenhum comentário:

Postar um comentário